11 de set de 2010

Alimentos que Emagrecem ("calorias negativas")

Digerir, absorver e armazenar os nutrientes demanda um considerável gasto energético de nosso organismo, ele faz a maior ginástica para transformar aquele delicioso filé ou uma bela macarronada em partículas pequenas o suficiente para abastecer suas células. Por isso, saiba que é possível tirar proveito desse mecanismo privilegiando alimentos que fazem a digestão exterminar mais energia.


Por anos, livros de dietas e de perda de peso têm relatado que você pode comer uma porção de comida e queimar calorias ao mesmo tempo. A idéia é que alguns alimentos têm tão poucas calorias que o ato de mastigá-los e digerí-los gasta mais energia do que a quantidade de energia (calorias) que é absorvida, resultando em uma perda de peso, sendo estes alimentos chamados de alimentos com “calorias negativas“.



O truque seria escolher, entre os alimentos, os tipos mais durões. Ou seja, aqueles que requerem um maior esforço químico e mecânico para serem quebrados (um punhado de amendoim, por exemplo, seria mais apropriado do que a pasta de amendoim). Um cientista da Universidade de Tóquio, analisou um grupo de 450 mulheres e notou que aquelas que comiam pratos de textura mais consistente tinham a cintura mais fina e constatou que quando se objetiva a perda de peso, comidas macias parecem não ser a melhor opção, já que além de serem pouco mastigadas, permitem extrair a energia dali com extrema facilidade.



Esse é mais ou menos o raciocínio que explica por que carboidratos simples (doces) precisam de menos energia para serem digeridos do que os complexos (como o arroz e as batatas), pois estes últimos, por apresentarem cadeias de glicose maiores, necessitam de mais reações químicas para serem desmembrados. As fibras (carboidratos complexos) conseguem aumentar o dispêndio digestivo como poucos. Na verdade, essas substâncias presentes nas verduras, nos legumes, nos cereais integrais e nas frutas (com destaque para a casca) não são fragmentadas pelo organismo e fazem com que o alimento seja digerido muito lentamente.



O processo de digestão gasta cerca de 150 a 250 calorias, mas é claro que isso depende do peso da pessoa, sexo, idade e nível de atividade física. Ao ingerirmos um alimento de "caloria negativa" que contenha cerca de 100 calorias, vamos queimar mais calorias durante o processo de digestão do que a quantidade de calorias ingeridas. Alimentos com caloria negativa são mais difíceis de serem digeridos e o seu organismo irá consumir ainda mais calorias para digerí-los do que as 150-250 calorias que gastaria num processo de digestão normal. A dificuldade em digerir certos alimentos se deve a sua composição celular, alguns compostos são difíceis de serem digeridos ou não são digeridos, como por exemplo, a celulose.


Liderando a lista de comidas de “calorias negativas” estão vegetais como repolho, alface, pepino e aipo. Aipo, por exemplo, contém de 8 a 10 calorias por caule e 95% água. Mastigar a maioria dos alimentos somente queima cerca de 5 calorias por hora, mas o ato de digerí-los pode exigir um pouco mais. Este é particularmente o caso do aipo, porque é, em sua maior parte, celulose, um tipo de fibra para a qual humanos não possuem as enzimas necessárias para digerir.

Além de dar preferência a alimentos de digestão mais demorada, deve-se levar em consideração a forma de preparo dos alimentos, pois o calor torna os nutrientes mais biodisponíveis, sendo facilmente aproveitados e absorvidos. Em uma dose moderada, o cozimento é essencial para nos valermos das qualidades nutricionais de uma refeição, mas em exagero, leva embora substâncias sensíveis a altas temperaturas (como as vitaminas). Além de que, muito calor facilita a ação das enzimas digestivas, e o que queremos, lembre-se, é exatamente o contrário: dar trabalho a elas! Um peixe ou uma cenoura crus caem melhor do que suas versões cozidas, pois são mais difíceis de serem digeridos. Outra sugestão é a clássica de fracionar a dieta, pois assim, a digestão "malha" várias vezes ao dia.



Se você está se perguntando por que o cálculo das calorias estampadas nos rótulos dos produtos não considera o fator digestão, saiba que o empecilho somos nós mesmos. Cada corpo segue seu próprio ritmo para mandar embora a energia que ingerimos e o metabolismo varia muito de pessoa para pessoa. Daí porque, às vezes, duas pessoas comem a mesma quantidade de comida, só que uma engorda e outra não.

Entre os alimentos de calorias negativas estão aqueles hipocalóricos e ricos em fibras, que são mais difíceis de digerir. Como se não bastasse tal vantagem, esse grupo é ainda rico em antioxidantes, que ajudam a combater os radicais livres responsáveis por várias doenças.

Porém, apesar de supersaudáveis, não vale fazer uma dieta só com esses alimentos. O corpo precisa de energia e do equilíbrio entre carboidratos integrais, proteínas magras e gorduras saudáveis. Então, encare os ingredientes com caloria negativa como facilitadores do emagrecimento e não como as estrelas únicas do cardápio.



A Dieta das Calorias Negativas parte de uma premissa simples, a de que alguns alimentos proporcionam menos calorias do que é gasto para digerí-los, ou seja, esses alimentos possuem calorias porém seu efeito calórico é negativo. Apesar da existência de alimentos que possuem esse efeito calórico negativo não estar comprovada, a dieta das calorias negativas ganhou alguma popularidade. Vegetais com efeito calórico negativo: aspargo, brócolis, cenoura, couve-flor, repolho, alface, cebola, espinafre, nabo, pepino, pimenta vermelha, abobrinha, chicória, salsão, berinjela, beterraba, alho, agrião, rabanete, tomate, feijão verde. Frutas com efeito calórico negativo: limão, goiaba, mamão papaia, pêssego, melão, morango, tangerina, melancia, mexerica, laranja, cassis, framboesa, amora preta, ameixa, maçã, abacaxi.



Usar o gasto energético do processo digestivo como um adjuvante na perda de peso ainda não é considerado um fator determinante entre as estratégias para emagrecer. Uma dieta equilibrada e a prática de atividade física continuam sendo mais importantes. Mas, a longo prazo, apostar na capacidade da digestão de usar uma pitada extra de energia pode fazer a diferença...basta fazer as contas: ingerir 20 calorias além das necessárias todos os dias resulta em 1 kg a mais por ano!!! Se o excedente for de 500 calorias por dia, vem aí 0,5 kg a mais por semana!!!!!!!!!!!



Bom, não significa que se você se entupir destes alimentos vai emagrecer cada vez mais até ficar com um peso negativo (50kg abaixo de zero, por exemplo)...mas se você seguir recomendações como beber muita água, praticar atividade física diariamente, comer de 3 em 3 horas, escolher alimentos frescos e naturais em vez de industrializados e artificiais e, ainda, incorporar esses alimentos de "calorias negativas" em sua dieta...pode se surpreender com os resultados!



Dra. Priscila Rosa Pereira.

Um comentário:

  1. Gosto muito dos artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver nosso Curso de Informática Online. Daienne.

    ResponderExcluir