3 de set de 2010

CELULITE: nossa maior inimiga!

A celulite acomete cerca de 95% das mulheres e raramente os homens. Não está relacionada somente à obesidade, podendo aparecer em pessoas magras, obesas e normais.

Ocorre por uma alteração do tecido conjuntivo que provoca acúmulo de gordura e retenção de líquidos nas células. Na puberdade, o estrogênio (hormônio feminino) passa a ser produzido em maior quantidade, fazendo com que aumente a retenção de líquido e provocando uma concentração de gordura nas regiões como: pernas, abdômen, quadris, culotes, nádegas e coxas.

Normalmente, as células de gordura, assim como todas as células, recebem oxigênio e nutrientes, e liberam água e toxinas na circulação. Quando não se consegue mais estabelecer esse mecanismo de trocas, essas células incham e comprimem os vasos sangüíneos, causando alteração de componentes estruturais dos tecidos, como a elastina e o colágeno.

Fatores que contribuem para sua formação: sedentarismo, problemas circulatórios, stress, tabagismo, pouco consumo de água, consumo exagerado de frituras e açúcares, dieta inadequada, etc.

A celulite pode se apresentar em 04 graus:

-Grau 1: Quando os músculos são contraídos ou se for pressionada a região observa-se uma discreta deformidade na área (alterações no relevo com irregularidades - os chamados "furinhos"). Neste grau não há alterações circulatórias. Há um leve acúmulo de gordura.

-Grau 2: Neste estágio é possível perceber as irregularidades na pele ao olhar para a região, mesmo sem contrair ou apertar a área. Há um inchaço derivado do acúmulo de gordura. A celulite torna-se palpável e não é dolorosa. Neste grau já há uma alteração circulatória.

-Grau 3: O aumento do volume das células gordurosas causam a alteração do tecido formando nódulos subcutâneos de tamanho pequeno ou médio, visíveis na superfície da pele (aspecto de "casca de laranja"). O endurecimento do tecido gorduroso provoca uma maior deficiência circulatória e maior acúmulo de toxinas celulares. Neste estágio ela pode ser dolorosa quando pressionada e as pernas se tornam mais pesadas e cansadas. O tratamento deste grau já se torna mais difícil, mas ainda pode haver melhora e voltar ao grau 2.

-Grau 4: Este grau é mais comum em pessoas com diabetes e obesidade. Há bastante nódulos grandes (cerca de 3cm), visíveis e dolorosos à palpação ou até mesmo sem palpação a paciente refere dores. As depressões na pele são profundas e o contorno corporal está disforme. Há um distúrbio completo nas células e tecidos, com grandes problemas de circulação na região. Apesar de grave, é possível melhorar o aspecto. Os tratamentos devem ser mais agressivos e os resultados serão menores e mais demorados que nos outros graus.

Além de adotar um programa de alimentação equilibrada e, de preferência, ter uma rotina regular de atividade física, acredita-se que a melhor saída dentro dos consultórios e das clínicas é combinar dois ou mais tratamentos estéticos.

Veja alguns tratamentos:

* Mesoterapia ou Intradermoterapia ("Enzimas"): é a aplicação intradérmica de uma injeção com substâncias que dissolvem as gorduras e ativam a circulação. Após o lipostabil, uma substância que foi uma sensação há alguns anos, ser proibido, um novo ativo está sendo usado para romper as células de gordura: o desoxicolato de sódio. Ele foi exaltado depois que um estudo mostrou bons resultados na quebra de células de gordura sem alterar os níveis de gordura no sangue. O estudo demonstrou que o procedimento pode funcionar para pequenos focos de gordura localizada, mas nunca para quem está muito acima do peso. Também foi provado que os resultados são melhores na região do abdômen do que nos quadris.

* Carboxiterapia: apesar de não existir a comprovação científica de que o gás carbônico injetado dentro da pele rompe as células de gordura, é fato que as pacientes sentem uma melhora com o tratamento. Provavelmente porque o método melhora a oxigenação dos tecidos e, por tabela, a circulação sanguínea. Isso ajuda a nutrir melhor as células e faz uma espécie de drenagem linfática, diminuindo o inchaço e consequentemente a celulite associada à retenção líquida. Há evidências de que a carboxiterapia age sobre a síntese de colágeno, deixando a pele mais firme e esse benefício, por si só, justifica o tratamento da celulite além de melhorar também a flacidez (o novo colágeno formado aumenta a firmeza da pele).

* Manthus: ultrasom associado a correntes elétricas capaz de reduzir medidas e melhorar o aspecto ondulado da pele (celulite). Diferente da estimulação russa, que atua no enrijecimento do músculo, o Manthus age na pele, através da eletroporação. Para cada local do corpo é usado um produto com princípios ativos diferentes, que penetram nos poros e chegam às células adiposas, promovendo um esvaziamento das mesmas. É indolor, havendo somente um formigamento, bem leve. Algumas pacientes referem que o aparelho de ultrasom proporciona uma sensação relaxante.

* Drenagem Linfática: é uma massagem que estimula a circulação linfática, fazendo com que as toxinas e gorduras sejam eliminadas.

* Laser: a aplicação produz efeitos nas células gordurosas causando um aumento em seu metabolismo e eliminando a gordura mais facilmente.

* Cremes: existem diversos cremes com princípios ativos que estimulam a lipólise (queima de gordura) e ativam a circulação, que podem auxiliar no tratamento, porem sozinhos resolvem muito pouco já que a maioria tem um baixo poder de penetração na pele. Porém associados a outros tratamentos que facilitam a penetração podem dar melhores efeitos.


Dicas básicas:
- Praticar exercícios físicos
- Ter uma alimentação saudável e balanceada
- Beber de 1 a 2 litros de água por dia
- Não fumar

Bom, todas nós mulheres sofremos deste mal e não há milagre que acabe com a celulite de vez, porém é possível conseguir uma boa melhora. Mas os cuidados devem ser contínuos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário