21 de nov de 2010

Rosácea: o rosto vermelho

A rosácea é uma doença inflamatória crônica da pele, que afeta principalmente os adultos após os 30 anos de idade, sendo mais frequente nas mulheres. A causa é desconhecida. O parasita Demodex folliculorum, presente nos folículos pilo-sebáceos, parece estar envolvido com a doença apenas de forma oportunista. Predisposição pessoal e alterações gastrointestinais também podem ter participação na causa da doença.

Certos alimentos podem piorar o quadro em alguns pacientes (café, bebidas alcoólicas, picles, pimenta e molhos quentes). Além disso, frio e calor intenso, assim como a exposição solar, podem estar implicados na piora das lesões. A pele danificada pelo sol ao longo dos anos também pode predispor ao surgimento da doença.

A doença atinge principalmente a região central da face. O quadro inicia-se por vermelhidão, a princípio transitória, mas que depois torna-se persistente. Com a progressão da doença, surgem também pequenos vasos sanguíneos dilatados (telangiectasias), lesões avermelhadas e elevadas (pápulas) e pústulas (pontos amarelos), que parecem espinhas, daí a denominação "acne rosácea", pela semelhança com a acne.

Casos mais graves podem atingir áreas extensas da face, com inflamação e edema da pele, formando placas avermelhadas e nódulos. Em alguns pacientes podem ocorrer alterações oculares inflamatórias, como conjuntivite ou inflamação da córnea, pálpebra e íris.

Nos homens, o quadro pode ser mais grave e a evolução da doença pode levar ao surgimento do rinofima (aumento do volume do nariz), cuja pele se apresenta infiltrada, com os poros dilatados e com elevações na superfície.

A rosácea é uma doença de curso crônico e não existe um tratamento que a elimine definitivamente, mas ela pode ser mantida sob controle. Deve-se evitar os fatores que provocam a sua exacerbação, como: frio intenso, sol e os alimentos supracitados, caso se perceba que pioram o quadro.

O uso de antibióticos por via oral pode ser feito até se obter a melhora, quando a dose deve ser diminuída gradualmente. A manutenção pode ser feita com antibióticos tópicos. Eventualmente, se houver piora das lesões, deve ser restituída a medicação oral. A indicação do tratamento adequado e a sua duração vai depender da intensidade de cada caso, devendo ser definida pelo médico responsável. Algumas outras substâncias vem sendo usadas com bons resultados como o ácido azeláico, o lanachrys, o MDI complex e coffeeskin. O uso de antioxidantes via oral e do aminoácido L-lisina também ajudam no tratamento.

As telangiectasias podem ser esclerosadas através da fulguração ou laser. O tratamento do rinofima é cirúrgico, podendo ser utilizada a dermoabrasão, o laser de CO2 ou o shaving.

Dra. Priscila Rosa Pereira.

2 comentários:

  1. Oi, tenho 19 anos e apresento irritações na pele parecidas com as descritas, minha dermatologista e minha alergista estão trabalhando a mais de três meses comigo e não descobrem do que se trata, eu não costumo usar maquilagem, se uso, é no máximo uma vez por semana, não uso pó, nem base, nem creme hidratante ou coisa parecida, e a um mês não lavo o rosto com nada além de água... pode ser rosacea mesmo eu tendo 19 anos de idade?

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    pode ser que você tenha rosácea mesmo. Se for isso, com certeza sua dermatologista vai conseguir tratá-la, pois existem vários tratamentos que podem ajudar a melhorar o quadro. Converse com ela e tire todas as suas dúvidas! Um abraço!

    ResponderExcluir