18 de dez de 2010

Os maiores erros cometidos na academia

É doloroso e no mínimo frustrante de se ver. Pode perguntar a qualquer um que encontre-se no ramo do fitness como personal trainer, técnico ou fisioterapeuta por uma década sobre os maiores erros vistos nas academias ou centros de ginástica.



Com certeza o mundo fitness é inundado com mensagens em massa, na maioria das vezes conflitantes: promessas que algum produto, programa ou exercício irá "ajudá-lo a perder 7 kilos em 7 dias". Os inconvenientes são as academias estarem cheia de pessoas realizando progressos inefecientes para alcançar seus objetivos. Também não é raro, aqueles que pretendem implementar práticas de fitness e em vez disso estão criando movimentos pobres, que levam à lesões agudas ou crônicas.



Confusões são geralmente apenas o resultado de pouca informação, muitas vezes extraída da fonte errada: só porque seu reinador do colégio disse isso há 30 anos atrás, ou seu amigo é o mais musculoso da academia, não significa que a informação é válida. O que mais se vê ultimamente é a procura por aquela POÇÃO MÁGICA, ou uma descoberta a ser tirada da cartola, que deixe pra trás princípios básicos e já conhecidos como treino regular, bons programas, consistência. Tudo isso porque não são métodos rápidos.


Segue agora os grandes erros vistos nas academias e centros de fitness diariamente, e como eles podem ser corrigidos.



1. PERDER TEMPO: muito tempo perdido! Para evitar isso e potencializar o treinoé recomendado utilizar um treino que foque fortalecimento de agonista-antagonista (por exemplo: peito e costas), no lugar de treinos de circuito, ou divididos em membros. Isso pode diminuir seu tempo de treino ao meio.




2. MUITO TEMPO EM EXERCÍCIOS QUE TRABALHEM APENAS UMA ARTICULAÇÃO: Ganhe mais força realizando exercícios que envolvam trabalho de grupos musculares simultaneamente. Quanto maior o número de músculos ativos,maior o efeito metabólico.




3. TREINAR O CORE DE MANEIRA ERRADA: De nada aditanta focar demais o "tanquinho". Reto abdominal e oblíquos estão tendo muita ênfase, devido ao boom da importância do CORE no treinamento. Porém, treinar este grupo sem treinar seus antagonistas (eretores espinhais), causa desequil[ibrio muscular! Treinos crônicos e abdominais encurtados podem empurrar o torso para frente e criar alterações posturais. Para cada exercício de flexão, deve ser feita uma extensão também!


4. TÉCNICA POBRE! As pessoas geralmente fazem pressão para aquele peso extra - provavelmente para inflarem seus egos. As cargas podem inicialmente caírem, mas você será mais resistente e forte, reduzinho o risco de lesões ao longo do caminho.

5. POSTURA POBRE: A flexão da coluna é a pior posição para permanecer quando estamos sob carga. A espinha neutra é a posição soberana durante seu treino, mas também é importante lembrar que só porque a série acabou, não significa que você não deva usar sua boa técnica para manter-se na postura correta no dia-a-dia também.



6. NÃO TREINAR OS GRANDES ELOS: É muito cobrado pelos fisioterapeutas em seus treinos, (porém isso não é visto muito pelas academias...) focar em movimentos funcionais ativando músculos importantes como o manguito rotador do ombro, o rotador do quadril, os estabilizadores da coluna, e os estabilizadores do joelho. Como estas são umas das regiões mais fracas do corpo que levam à muitas instabilidades, elas tendem a ser as primeiras a lesionarem.




7. NÃO ABORDAR AS NECESSIDADES DOS TECIDOS MOLES: auto-liberação miofascial, massagens, flexibilidade, mobilidade- dar prioridade à qualidade do tecido à frente da quantidade é bem lógico. Você não vencerá uma corrica de carro se seus pneus não forem de boa qualidade. Então, não devemos forçar nossa musculatura ao extremo sem preparar nossos tecidos para conseguires lidar com as cargas e a demanda que investimos sobre eles.


Faça os ajustes, implante as mudanças, assista aos seus resultados de treinamento decolarem!

Dra. Pâmela Rosa Pereira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário