5 de jan de 2011

Cidade de São Francisco (EUA) proíbe brindes do McLanche Feliz


O Conselho de Supervisores de São Francisco, na Califórnia, proibiu a distribuição de brinquedos como brindes de lanches em restaurantes da cidade. Para fugir à norma, será preciso seguir padrões nutricionais relativos a calorias, sódio e gordura. O alvo principal foi o McLanche Feliz, que vale lembrar, é um pacote com sanduíche, refrigerante, batata frita e brinquedo.

A lei, aprovada por 8 votos a 3, foi patrocinada pelo supervisor Eric Mar. Ele contou que ficou horrorizado com a coleção de brinquedos de sua filha e imaginou a medida como uma maneira de dar um golpe na cadeia de lanchonetes que vende fast-food salgada e gordurosa.

O McDonald's tratou a lei como um equívoco. "Não é o que querem nossos clientes", disse Danya Proud, porta-voz da empresa, em comunicado. "Também não é algo que eles tenham pedido."

A proibição não agradou o prefeito Gavin Newson, eleito vice-governador na última eleição. Ele havia dito que vetaria o projeto, embora os oito votos pelo "sim" sejam suficientes para sobrepor-se ao veto. "O prefeito acredita firmemente que esta é a abordagem errada para combater a questão da obesidade infantil", disse Tony Winnicker, porta-voz do prefeito.

São Francisco não é a primeira cidade a proibir tais brindes. O condado de Santa Clara, no sul da Califórnia, fez a mesma coisa recentemente. Mas o Conselho de São Francisco, que tem uma relação complicada com Newson, disse que a decisão foi apoiada em alguns "fatos infelizes". Isso inclui uma descoberta recente de que quase 30% dos moradores da cidade que cursam a quinta série estão com sobrepeso.

Segundo o projeto, todas as refeições deverão ter menos de 600 calorias, menos de 640 miligramas de sódio e menos de 35% de calorias provenientes de gordura (com exceção de alguns itens saudáveis, como nozes). Se os restaurantes não seguirem as normas, não haverá mais brindes de brinquedos.

(Fonte: Revista Veja 14/11/2010)


A medida que provavelmente será ineficaz em combater a obesidade, vale como um sinal de que as autoridades estão atentas ao problema e estão de alguma forma tentando agir. Claro que o problema vai mais a fundo e necessita de uma ação mais ampla para ser resolvido.


Dra. Priscila Rosa Pereira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário