9 de fev de 2011

Maquiagem Mineral

As promessas são incríveis: maquiagem natural, menos agressiva e que ainda trata a pele. Esses são os principais atrativos alardeados pelos fabricantes, mas apenas parte disso é verdade.

A maquiagem mineral contém em sua fórmula pós finíssimos de origem mineral como: Dióxido de Titânio, Oxicloreto de Bismuto, Mica, Óxidos de Ferrro e de Zinco, etc.

Elaborada através de extração dos mais puros e finos pós de origem mineral, livres de conservantes, aromatizantes, parabenos fragrâncias, corantes e pigmentos pesados; a maquiagem mineral é naturalmente hipoalergênica e pode ser aplicada sobre peles sensíveis e oleosas. Por não conter óleo, deixa a pele mais sequinha.

A pureza dos minerais oferece uma maior afinidade com o Ph da pele, que confere ótima cobertura e acabamento natural.

A diferença entre a maquiagem mineral e a convencional é basicamente a cobertura oferecida. Na maquiagem mineral não se consegue uma cobertura tão uniforme ou melhor resposta em pigmento quanto na convencional, portanto olheiras crônicas, manchas ou marcas são melhor disfarçadas com a aplicação da maquiagem convencional.

A aplicação da maquiagem mineral deve ser mais cuidadosa, pois basicamente todos os produtos tem sua apresentação no formato de pó solto, o que pode carregar ou deixar excessos. Se você for optar por este tipo de maquiagem deve investir em bons pincéis que facilitam a aplicação e conferem uma cobertura leve e natural.

A maquiagem mineral deverá ser aplicada sobre o rosto em movimentos circulares, de dentro para fora. No pescoço e colo também se aplica o pó para controle do brilho e uniformização do tom.

Esse tipo de maquiagem não é muito indicada para a pele madura, já que sua apresentação quase sempre é em pó, o que pode carregar e evidenciar as linhas de expressão. Por isso, prefira uma cobertura líquida por ser mais leve e opte pela mais fina possível. Para o controle do brilho, pode-se optar por um pó facial (agora sim, é indicado o mineral!) que deverá ser aplicado apenas na zona T (testa, nariz e queixo) e lembre-se de retocar este produto sempre que houver necessidade, como por exemplo ter a pele oleosa, ondas de calor ou até mesmo para controle do brilho.

Lembre-se que antes da maquiagem é importante a preparação da pele: limpar, tonificar e hidratar a pele diariamente trás benefícios e agem contra o envelhecimento.

Componentes da maquiagem mineral:

Dióxido de titânio: Partícula de pigmento em pó branco com excelente poder de cobertura;

Oxido de ferro: Partículas de pigmentos inorgânicos (amarelo, preto e vermelho). Pela combinação das três cores é possível cobrir vários tons de pele;

Óxido de zinco: Partículas de pigmento branco que absorvem a oleosidade da pele;

Mica: Mineral de origem natural que permite bom deslizamento e aderência;

Oxicloreto de bismuto: Partícula ultrafina de grande afinidade com a pele que permite boa fixação da maquiagem, toque leve e textura aveludada;

Estearato de zinco: Sais de zinco que dão ótima aderência à pele;

Pó de diamante (chique não?): Partículas ultrafinas de diamante que dão luminosidade e acabamento radiante.


Alerta: nem todas as marcas produzem itens 100% minerais. Os parabenos, por exemplo, fazem parte das linhas da Mary Kay e da Tracta. Esses derivados de petróleo altamente alérgenos, também estão presentes na linha mineral da Avon que ressalta somente os pigmentos minerais da fórmula.

Mesmo entre as importadas, são poucas as marcas 100% minerais. E isso contraria toda a filosofia por trás da tendência. Por princípio, a maquiagem mineral seria livre de talcos, óleos, ceras, fragrâncias e conservantes. Como já foi dito, ela deve vir em forma de pó solto, se for compacta, desconfie! O compacto contém óleo, que exige a adição de antioxidantes e de conservantes mais potentes, como os parabenos. Exceção é a linha Mineralize, da MAC, que tem pós e sombras compactadas por um processo de superaquecimento.

Como não existe uma regulamentação, qualquer marca pode chamar seu produto de mineral, mesmo que não seja. (Absurdo isso né?)

Outro ponto fraco é a falta de variedade de cores: há uma meia dúzia, que podem ser combinadas entre si. A cobertura leve e natural, que para algumas mulheres é uma vantagem, para quem precisa de muita correção está longe de ser satisfatória.

Quem consegue o feito ressalta a informação já na embalagem. É o caso da Contém 1g, que tem base, pó e corretivo 100% minerais; da Clinique, que tem apenas pó; da L'Oréal, com sombras e pó; da Artdeco, com pó, corretivo, blush e sombras; e da Bodyography, que tem base, blush, corretivo e sombras.

Já O Boticário tem base, blush e sombra puros, mas batom, gloss e lápis de olho que não são 100% minerais.

Experimente, mas cuidado para não comprar gato por lebre, observe na lista de componentes se aqueles que citamos que não deveriam estar presentes, não estão mesmo.

Dra. Priscila Rosa Pereira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário