26 de abr de 2011

26 de abril: Dia Nacional do Combate à Hipertensão

O mês de abril está cheio de datas comemorativas na área da saúde. Que bom!

Hoje é o Dia do Combate à Hipertensão, uma doença muito prevalente na população que está ligada a outros males, como doenças cardíacas, renais, cerebrais, obesidade, diabetes, etc. Por isso prevení-la, reconhecê-la e tratá-la é importantíssimo, a fim de evitar suas complicações.

Estima-se que 20% da população brasileira adulta seja hipertensa. Além disso, o Ministério da Saúde estima que cerca de 15 milhões de hipertensos desconhecem que sofrem do mal.


Para alertar a população sobre o mal, foi criado o Dia Nacional de Combate à Hipertensão Arterial, que é o dia 26 de abril.

A Organização Mundial de Saúde prevê que, em 2015, teremos 10 milhões de mortes por doenças crônicas no país, dentre elas está a pressão alta. Atualmente, considera-se que ela é a doença cardiovascular mais frequente, no país, especialmente entre idosos. Mas não são só eles que sofrem do mal. Gestantes e crianças também estão entre os que devem tomar cuidado com a pressão alta.

Na hipertensão ocorre o aumento da pressão sanguínea no sistema arterial e, além de ser a principal causa de Acidente Vascular Cerebral (AVC), está diretamente relacionada ao infarto do miocárdio (ataque cardíaco) e à insuficiência cardíaca.

Diabetes, sedentarismo, obesidade, estresse emocional, uso abusivo de sal e herança genética são os fatores que mais contribuem para o desenvolvimento de hipertensão arterial. Existem dois tipos de hipertensão: a primária e a secundária. A primária está associada à hereditariedade e é mais comum. Já a hipertensão secundária surge por motivos específicos, como obesidade, gravidez, uso de drogas, álcool e sal em excesso entre outros fatores.

Em geral, as mulheres tornam-se hipertensas mais tardiamente que os homens: elas, a partir dos 50 anos; eles, a partir dos 40. O distúrbio afeta 10% das grávidas e pode levar a antecipação do parto e, sem tratamento, pode levar à morte.

Entre os idosos e crianças, o quadro também exige preocupação. Mais de 70% das pessoas acima de 70 anos têm hipertensão arterial. Estilo de vida e má alimentação levam 5% das crianças e adolescentes a precisarem de tratamento. No Rio de Janeiro, a hipertensão juvenil está em torno de 7%. Em Belo Horizonte e Florianópolis o índice é de 12%. Em Salvador, 4% das crianças e adolescentes têm hipertensão arterial.

A prevenção é o melhor remédio. E não é assim tão complicado: hábitos saudáveis, evitar o fumo e o álcool, perder peso e fazer atividades físicas regularmente são as regras para fugir da pressão alta.

O perigo da hipertensão é que ela é "invisível", quando surgem os sintomas é sinal de que a doença já fez algum estrago no organismo. Por isso é importante verificar sua pressão periodicamente para certificar-se que ela está dentro do normal (140 x 80 mmhg para todos e 130 x 80 mmhg para quem tem diabetes).

Fique de olho!

Nenhum comentário:

Postar um comentário