27 de abr de 2011

Botox: mil e uma utilidades!



Os usos do botox vão muito além de apagar rugas. Desde de tratamento para enxaqueca até lifting facial sem cortes, essa toxina faz maravilhas por você! No fim do ano passado o FDA, órgão americano equivalente à Anvisa, aprovou o uso do Botox para o tratamento de enxaqueca crônica - mal que atinge 20% das mulheres e que segundo a OMS é a 19a doença mais debilitante do mundo!

Os estudos tiveram início em 2000, depois que pacientes americanas relataram alívio da dor de cabeça em conseqüência da aplicação de botox na testa para rugas. Os testes mostram que a toxina relaxa os músculos que costumam ficar tensionados durante as crises de enxaqueca, melhorando a circulação do sangue no local e aliviando a dor. A aplicação é diferente da realizada para fins estéticos.

Ela é feita em vários pontos mas são pontos diferentes e com doses bem maiores. Além da testa o botox pode ser injetado nas têmporas, atyrás da cabeça, na nuca e até nos ombros com a finalidade de tratar a dor.

A prescrição é somente para quem sofre de enxaqueca crônica, ou seja, fica com dor mais de 15 dias por mês. Se o botox for associado a medicamentos preventivos e mudanças no estilo de vida, talvez nem será preciso reaplicar outras vezes. Caso o quadro persista, a aplicação pode ser feita a cada 6 meses. E o melhor: o efeito colateral é que você vai ficar com menos rugas! O uso do botox já é consagrado também para contornar a necessidade de cirurgias invasivas para o tratamento da hiperhidrose (sudorese excessiva nas axilas, mãos e rosto).

Sua ação é interromper a comunicação entre nervo e glãndula de suor, fazendo com que ela fique inativa. O efeito dura entre 6 e 9 meses e não há efeitos colaterais, já que o resto do corpo continua suando normalmente.

O botox também é eficiente no tratamento do bruxismo, distúrbio noturno provocado por ansiedade e stress, que causa dores de cabeça, no pescoço e na gengiva. A aplicação em dois ou mais pontos da mandíbula elimina o problema em cerca de 15 dias. O estrabismo foi a primeira condição tratada pela toxina nos anos 70, e até hoje esse problema é resolvido dessa forma.

A aplicação é feita no músculo responsável pela mobilidade do globo ocular, centralizando o olhar. É necessário reaplicar a cada 4 meses, mas é uma boa alternativa para quem não quer fazer a cirurgia.

Mesmo na estética médica, a toxina botulínica vem ganhando novas utilidades, e a novidade é o lifting de botox. Médicos estão usando a toxina para literalmente levantar o rosto todo, com resultados quase como os de uma plástica. Os resultados são impressionantes: com a toxina, é possível não só eliminar rugas como também levantar o nariz, alisar o pescoço, afinar o rosto e melhorar o contorno do queixo, eliminando a papada resultante da flacidez.

Com reaplicações em média 2 vezes ao ano, a tendência é que os músculos não voltem a contrair da mesma forma, suavizando cada vez mais a expressão.

O recém-lançado Xeomin, da Merz Pharmaceuticals vem sendo anunciado como ainda mais eficaz que o rival (o Botox da Allergan) para o tratamento das rugas, porque teria uma fórmula mais pura, inibindo assim a produção de anticorpos pelo organismo.

Com a produção de anticorpos, quem faz aplicações constantes termina observando uma redução progressiva dos efeitos da toxina. Se essa vantagem realmente existe, ainda é cedo para falar, pois o produto chegou muito recentemente no mercado.

E então...convencido que Botox é tudo de bom?

Dra. Priscila Rosa Pereira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário