8 de mai de 2011

Mulheres brasileiras ficam em 15º em lista de obesidade e homens em 19°.


A população da pequena ilha de Nauru, no Pacífico Sul, é a mais afetada pela obesidade, seguida pelos Estados Unidos, enquanto os homens da República Democrática do Congo são os mais magros e as mulheres mais delgadas se encontram em Bangladesh, segundo um estudo divulgado em fevereiro deste ano. As brasileiras estão em 15º na lista, enquanto os brasileiros ficaram em 19º.


Os dados foram coletados com base no IMC (Índice de Massa Corporal), que é calculado ao se dividir o peso (em kg) pelo quadrado da altura (em metros). Se o resultado for menor que 20, a pessoa está abaixo do peso ideal. Entre 20 e 25, o peso é o ideal. Acima de 25, o indivíduo sofre com sobrepeso. O IMC a partir de 30 indica obesidade e maior que 35, obesidade mórbida.
O Brasil registra IMC de 25,8 entre os homens e de 26 entre as mulheres, o que indica sobrepeso. No planeta, 1,46 bilhão de adultos estão nessa condição.


Lista dos países com maior média de IMC*
HOMENS:

- Nauru : 33,9

- Estados Unidos : 28,5

- Arábia Saudita : 27,9

- Austrália : 27,6

- Canadá : 27,5

- Espanha : 27,5

- Argentina : 27,5

- Reino Unido : 27,4

- México : 27,4

- Alemanha : 27,2

- África do Sul: 26,9

- Bélgica : 26,8

- Polônia : 26,7

- Egito : 26,7

- Itália : 26,5

- Suíça: 26,2

- Rússia: 26

- França: 25,9

- Brasil : 25,8

- Cuba: 25,1

- Argélia: 24,6

- Japão: 23,5

- Tailândia: 23

- Nigéria: 23

- China: 22,9

- Índia: 21

- Bangladesh: 20,4

- RD Congo: 19,9


MULHERES :

- Nauru: 35

- Egito: 30,1

- Arábia Saudita: 29,6

- África do Sul: 29,5

- México: 28,7

- Estados Unidos: 28,3

- Argentina : 27,5

- Rússia: 27,2

- Austrália: 26,9

- Reino Unido: 26,9

- Canadá: 26,7

- Cuba: 26,6

- Espanha: 26,3

- Argélia: 26,4

- Brasil : 26

- Polônia: 25,9

- Alemanha: 25,7

- Bélgica: 25,1

- França: 24,8

- Itália: 24,8

- Tailândia: 24,4

- Suíça: 24,1

- Nigéria : 23,7

- China: 22,9

- Japão: 21,9

- RD Congo: 21,7

- Índia: 21,3

- Bangladesh: 20,5


Dra. Pâmela Rosa Pereira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário