17 de jun de 2011

Chá verde vendido pronto nos EUA tem baixo teor de antioxidantes

Cientistas mediram a concentração de polifenóis (antioxidantes) em 6 marcas de chá verde industrializado à venda nos EUA. A pesquisa, apresentada no encontro da American Chemical Society, encontrou de 3 a 81 mg de polifenóis por 450 ml de chá feito com estes extratos.

Uma xícara de chá caseiro, geralmente deve ter uns 150 mg da substância. Uma hipótese para a falta de antioxidantes é a tentativa da indústria de criar um sabor que agrade o público. Como o gosto dos polifenóis é amargo e adstringente, os produtos levam mais açúcar e menos chá, ficando menos efetivos.



No Brasil, o chá verde também é vendido com o apelo de bebida saudável e antioxidante, apesar da alta quantidade de edulcorantes e conservantes nas suas fórmulas. Outra dúvida levantada por alguns estudos foi sobre a qualidade do chá verde devido à forma com que é plantado, cultivado e colhido nas lavouras e mesmo devido ao seu transporte mundo afora.

Será que as condições oferecidas à planta são as ideais e garantem que seus antioxidantes estão mesmo presentes? Aliás, se pararmos para pensar, será que as condições de plantio e cultivo de todos os produtos naturais que consumimos são as ideais para garantir sua qualidade e seus nutrientes???

A presença de vitaminas, minerais e outros compostos benéficos à saúde de um produto depende da qualidade do solo em que é plantado, do uso de adubos e fertilizantes adequados, do não uso de agrotóxicos e substâncias nocivas, da boa técnica de cultivo nas lavouras, da colheita no tempo certo...enfim, são tantas variáveis que podem comprometer a qualidade final, que temos mesmo que ter dúvidas do quanto isso está sendo fiscalizado e realmente feito da maneira correta.

Cuidado com a procedência dos produtos, leia o rótulo e prefira sempre comprar em farmácias de manipulação (onde o farmacêutico é responsável pela qualidade do produto e há fiscalização) ou em casas de produtos naturais já de confiança, para não levar gato por lebre!

Dra. Priscila Rosa Pereira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário