26 de ago de 2011

SAIBA MAIS SOBRE A CIRURGIA DE PROTESE DE SILICONE

A cirurgia de colocação de prótese de silicone para aumento das mamas é uma das cirurgias mais procuradas pelas mulheres. O Brasil é o segundo país em números desse procedimento, só ficando atrás dos Estados Unidos. Atualmente, com as próteses modernas e sofisticação na técnica cirúrgica, existe um alto grau de satisfação e segurança com essa cirurgia, e poucos são os casos de complicações ou maus resultados, principalmente em mãos experientes.


Apesar disso, há ainda muitas duvidas em relação a essa cirurgia. As mais comuns: onde será a incisão? onde ficará o implante? Como ficará a cicatriz? Poderei trocar o implante por um maior ou menor mais tarde? Vou poder amamentar normalmente? Vou perder a sensibilidade nos seios?

A prótese de mama é indicada para pacientes com mamas pequenas ou que, após a amamentação, tiveram o volume das mamas reduzido. Em casos de excesso de flacidez, recomenda-se a mastopexia ou levantamento das mamas no mesmo ato cirúrgico. O objetivo da cirurgia é aumentar o volume das mamas, melhorando sua consistência e forma, respeitando a proporção entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax para um resultado harmonioso.

O local da incisão deve ser discutido e escolhido durante a consulta entre a paciente e o seu cirurgião. As principais localizações são no sulco submamário, ou seja, no sulco formado entre a mama e o tórax; periareolar, em meia lua; ou pequena incisão na axila.
O implante pode ser colocado entre o tecido mamário e o músculo peitoral; entre a fáscia do músculo peitoral e o músculo peitoral; ou entre o músculo peitoral e a parede torácica, dependendo da espessura da pele e da quantidade de tecido mamário para cobri-lo. Existem vários tipos de próteses, de formas, dimensões, texturas e materiais diferentes, que serão escolhidas de acordo com o biótipo e depois de exame minucioso da largura, projeção e altura da mama e do tórax. As próteses quanto à sua forma podem ser de quatro tipos: perfil alto, perfil baixo, perfil anatômico ou perfil superalto ou cônico, novidade recém-lançada que começa a ser comentada por ser muito boa e estar na moda. A prótese de perfil alto dá um pouco mais de colo para a paciente porque tem mais altura. A de perfil baixo preenche a mama sem dar tanta projeção. A de perfil anatômico tem mais ou menos o formato de uma mama e é ideal para quem tem muito pouco tecido, porque dá o formato natural, não fica aquela mama tão redonda. O perfil cônico ou superalto é usado quando a paciente quer um resultado com mais projeção ainda.


Não existe prótese melhor. Seu uso vai depender da indicação para cada paciente. A melhor é sempre a que a paciente precisa. A decisão da escolha é tomada pelo cirurgião junto com a paciente, a partir das queixas e do desejo dela. As cicatrizes são pequenas e bem disfarçadas e levam até 18 meses para atingir seu aspecto definitivo, ficando quase imperceptíveis.
São comuns alterações de sensibilidades nas mamas depois da mamoplastia de aumento, geralmente reversível após alguns meses.


A prótese de mama não sofre alterações com a gravidez nem com a amamentação. Tanto a submuscular quanto a submamária ficam posicionadas abaixo da glândula mamaria, não interferindo, assim, de maneira alguma na amamentação. Depois da cirurgia, a paciente pode e deve continuar a fazer mamografias para o controle e a prevenção do câncer de mama. A prótese não dificulta em nenhum aspecto a visualização de câncer na mama!

É importante saber que cada caso deve ser analisado individualmente para que o resultado fique

bonito e atenda às expectativas da paciente.

Para maiores informações, marque uma consulta com o Cirurgião Plástico da DUE, pelo telefone: 33661224.

Dr. Jair Maciel

Nenhum comentário:

Postar um comentário