3 de set de 2011

Stress: ele aumenta o cortisol e engorda!


O hormônio cortisol pode ser o grande culpado de seu corpo não responder aos esforços que você faz na academia. Em excesso, o cortisol provoca retenção de líquido e acúmulo de gordura.

Cortisol é um hormônio que possui várias funções no organismo. Em situações de perigo ele é liberado na circulação em grande quantidade e é capaz de nos deixar em condições de agir com a rapidez necessária diante do perigo. Numa situação de stress ao organismo(qualquer situação que agrida o equilíbrio do corpo, como uma lesão, infecção, doença...) ele também age ajudando nossas defesas a lutarem contra o agente agressor, sempre tentando nos levar de volta ao estado de saúde perfeita. O problema, como em tudo, é o excesso.

O excesso de cortisol, desencadeado principalmente pelo stress contínuo, faz as glândulas supra-renais trabalharem mais e, em excesso, provocam retenção de líquido e acúmulo de gordura. Esse stress contínuo pode ser devido a situações de perigo ou de ansiedade constantes às que a pessoa fica exposta no seu dia-a-dia, como por exemplo, alguém que trabalha como policial e enfrenta muitas situações de luta e perseguição; ou alguém que trabalha no trânsito e vive sob tensão; ou mesmo, o que é bem comum hoje em dia, alguém que está sempre sob cobrança de prazos e resultados e mal consegue dormir.

Acontece que quando o corpo está em estado de alerta causado pelo cortisol, isso causa a diminuição da queima calórica no intuito de poupar energia para o caso de algum perigo ocorrer (seu corpo responde ao stress do trabalho ou do trânsito da mesma maneira que responderia ao stress de estar num campo de batalha na guerra). Nosso cérebro não distingue ameaças ou perigos reais de imaginárias.

Outro efeito negativo do cortisol é que ele ativa o sistema de recompensa do cérebro que atua no controle do gasto e do acúmulo energético e no metabolismo da glicose e das gorduras. Se estimulado constantemente, como acontece no caso de stress crônico, gera aumento de apetite e facilita o armazenamento de gordura.

Outro agravante é que o cortisol é capaz de modificar o paladar. Isso mesmo. Pessoas estressadas tendem, a buscar 'conforto' em alimentos calóricos e gordurosos, como doces e frituras.

Isso se explica porque carboidratos simples se transformam rapidamente em energia e elevam a serotonina, substância que proporciona bem-estar.


Para baixar os níveis de cortisol, as medidas são simples:

- Pratique exercícios físicos com regularidade: eles aumentam a endorfina, que proporciona bem-estar, e reduzem o estresse.

- Tenha cuidado dobrado com a alimentação: para controlar a liberação de cortisol é importante comer logo após acordar e logo depois dos exercícios. O café da manhã garante níveis adequados de cortisol ao longo do dia, pois é o horário em que ele tem sua produção mais acentuada.

- Durma bem: durante o sono o cortisol atinge seus níveis mais baixos e o GH (hormônio do crescimento) está no seu nível mais alto. Sem dormir bem a produção desses hormônios, ficará prejudicada e isso dificultará a formação da massa muscular, e quanto menos massa muscular, menor a queima de gorduras.

- Consuma menos cafeína: a cafeína aumenta os níveis de cortisol. Para isso basta o consumo de 2 a 3 xícaras de café. Cuidado, não é só o café que possui cafeína: o chá preto ou o verde, o mate e os refrigerantes com cola possuem quantidades consideráveis de cafeína em sua composição.


Trânsito, filhos, trabalho, prazos, provas, mudanças, contas...tudo isso causa sintomas de stress na maioria das pessoas. Ter habilidade para lidar bem com o stress reduz o risco de desenvolver várias doenças, além de reduzir o acúmulo de gordura abdominal. Isso porque além de aumentar o apetite e reduzir o gasto energético, o hormônio cortisol facilita o acúmulo de gordura no abdome.

O cortisol é o responsável pela necessidade de comer muitos doces ou comidas mais calóricas depois de uma situação estressante como, por exemplo, ficar uma hora parado no engarrafamento, ter uma discussão ou quando ficamos muito tempo sem comer.

Passado o sufoco, o cortisol “pede” fontes de energia rapidamente disponíveis como macarronada, barras de chocolate, potes de sorvete e outras guloseimas repletas de gorduras e carboidratos.

Além das influências sobre o cortisol, o estado de stress prolongado pode levar a resistência à insulina, diminuição a libido, infertilidade, aumento do colesterol, da pressão arterial e dos triglicérides.

O círculo vicioso em que o stress e o aumento de peso alimentam um ao outro sem parar pode diminuir com o relaxamento. "Quando o corpo relaxa, os genes que fazem engordar são desativados e, por outro lado, aqueles que propiciam o emagrecimento são ativados. Assim o metabolismo é estimulado, a queima de gordura aumenta e há maior perda de peso”, diz o endocrinologista e professor de medicina da USP, Alfredo Halpern.

Gente, relaxar é preciso para vivermos mais, melhor e mais magros!

Dra. Priscila Rosa Pereira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário