25 de dez de 2011

Pilates: benefícios para a mãe e o bebê!


Com a chegada da gravidez, por conta daquela moleza inicial e excesso de sono, as grávidas deixam de praticar atividades físicas. Certamente algumas atividades não são muito adequadas, mas existem outras que além de permitidas são indicadas. A ênfase dada pelos movimentos do pilates aos músculos do assoalho pélvico facilita o trabalho do parto normal, diminuindo o esforço realizado pela mãe na hora do nascimento do bebê. Por ser uma atividade que promove o condicionamento físico, trabalhando principalmente a região do core, que contempla o conjunto de músculos abdominais e dorsais, o pilates proporciona um fortalecimento significativo para melhora da postura e principalmente do equilíbrio.

A atividade é indicada a partir do terceiro mês de gestação e os exercícios são adaptados conforme a evolução da gravidez. Algumas posições são evitadas dependendo do mês de gestação, pois algumas posturas tornam-se incômodas e por isso geralmente opta-se por exercícios em quatro apoios e em decúbito lateral, devido ao posicionamento da barriga, preservando, assim, o conforto da gestante. Os movimentos ajudam a melhorar a circulação sanguínea, principalmente dos membros inferiores e ajudam a evitar cãibras, bem comuns durante a gestação.

A prática regular e sempre acompanhada de um profissional alivia as tensões na parte superior das costas e o bebê, por sua vez, recebe mais oxigênio e é também beneficiado pelo envio de endorfina (hormônio do relaxamento e bem-estar) via placenta. O crescimento do bebê torna-se mais adequado devido ao controle de peso por parte da futura mamãe. E após o nascimento a mulher pode retomar os exercícios a partir de 30 dias do nascimento do bebê, independente se for realizado parto normal ou cesárea.

PILATES, sempre bom!

Pâmela Rosa Pereira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário