3 de jan de 2012

Ler rótulos ajuda a emagrecer!

Ler rótulos de alimentos pode ser mais eficaz para perder peso do que fazer exercícios. Pelo menos é o que diz uma pesquisa da Universidade de Washington, nos Estados Unidos.

O estudo avaliou 12.000 americanos nascidos entre 1957 e 1964. Entre os participantes, 25% praticavam atividade física e 50% tinham o hábito de ler rótulos.

O resultado é que os que liam embalagens emagreceram mais do que aqueles que faziam atividade física, mas não estavam atentos às informações sobre os alimentos.

Mulheres de 37 a 50 anos foram as que tiveram os melhores resultados. O trabalho foi publicado no "The Journal Of Consumers Affairs".

Realmente, a "dieta do rótulo" funciona mesmo. Saber o que estamos comendo faz diferença. Pessoas bem informadas comem melhor.

O rótulo só vai fazer diferença, porém, se a pessoa souber interpretá-lo. O que não é nada simples! Embalagens não são autoexplicativas. É preciso saber o que cada nutriente quer dizer e, às vezes, fazer alguns cálculos.

Sabendo interpretar, dá para comparar produtos parecidos e escolher aquele que contém os melhores valores nutricionais.

Entre um biscoito recheado e outro, podemos optar pelo que tem mais fibras e menos gordura saturada, por exemplo.

Qual a primeira coisa que você repara no rótulo? As calorias, claro. Porém, há outras informações tão ou mais importantes.

Uma delas é a denominação de venda - a descrição fiel do que é o produto, que fica no pé da embalagem. Assim, você compra hambúrguer, sem ler que trata-se de carne bovina misturada a carne suína. Muitas vezes reparamos só no nome comercial, compramos uma coisa por outra.

Depois disso, recomenda-se olhar a quantidade de fibras e de sódio. Nosso consumo de fibras é baixo e o de sódio é alto, principalmente se a pessoa ingere muitos alimentos industrializados.

Outro ponto importante é a quantidade de gorduras totais e trans. Muitos alimentos diet, sem açúcar, têm mais gordura. Por outro lado, os light, com baixo teor de gordura, às vezes exageram na quantidade de açúcares e carboidratos.

Não reparar no teor de gordura pode fazer com que a pessoa caia em armadilhas. O requeijão light, por exemplo, tem mais gordura do que a maionese light, rica em gorduras poli-insaturadas, que são mais saudáveis.

Para todos os cálculos, é essencial considerar o fracionamento que o fabricante estabeleceu para elaborar a tabela. Essa informação é a que mais confunde. A porção é diferente para cada alimento e é preciso fazer contas para comparar um com outro. Às vezes num rótulo vemos escrito 25 calorias e não reparamos que esse é o valor referente à 50g do produto enquanto um outro produto pode mostrar 100 calorias e este valor ser referente a 500g do produto, por exemplo. Isso pode gerar confusão e distraidamente você achar que o primeiro produto é o menos calórico, quando não é.

Bom, os fabricantes também podiam facilitar nossa vida estabelecendo um padrão de medida né? Mas isso não seria bom negócio para a maioria deles que tem produtos calóricos e pouco nutritivos...

Dra. Priscila Rosa Pereira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário