3 de jul de 2012

Regra número 41

COMA MAIS COMO OS FRANCESES. OU OS JAPONESES. OU OS ITALIANOS. OU OS GREGOS.

Quem come de acordo com as regras de uma cultura alimentar tradicional geralmente é mais saudável que os que comem uma dieta ocidental moderna de alimentos processados. Qualquer dieta tradicional serve: se não fosse uma dieta saudável, quem a seguisse não continuaria por aí. É verdade que as culturas alimentares são embutidas em determinadas sociedades, economias e ecologias, e algumas delas viajam melhor que outras – a cultura inuite não viaja tão bem quanto a italiana. Ao fazer um empréstimo de uma cultura alimentar, preste atenção ao que essa cultura come – e de que modo.



No caso do paradoxo francês, por exemplo, talvez não sejam tanto os nutrientes da dieta o que mantém os franceses saudáveis (montes de gordura saturada e farinha branca?!), mas seus hábitos alimentares: pequenas porções consumidas em refeições comunitárias, sem pressa, nada de repetir nem de beliscar.

Preste atenção, também, nas combinações de alimentos em culturas tradicionais: na América Latina, o milho é tradicionalmente cozido com limão e comido com feijão: o que de outra maneira seria um alimento básico deficiente em termos nutricionais se torna a base de uma dieta saudável e balanceada. (O feijão fornece os aminoácidos que faltam ao milho, e o limão disponibiliza a niacina.)



As culturas que tomaram o milho da América Latina sem o feijão ou o limão acabaram por apresentar sérias deficiências nutricionais, como a pelagra. As dietas tradicionais são mais que a soma dos alimentos que as constituem.