28 de ago de 2012

Descoberta de novo hormônio: a promessa da atividade física em cápsulas...

Um novo estudo abre perspectiva de que os exercícios físicos possam ser trocados por uma pílula.

É isso mesmo! Em experimentos com camundongos, cientistas do Instituto do Câncer Dana-Farber, em Boston, descobriram que um tipo de hormônio, produzido após a atividade física, era capaz de transformar o tecido adiposo comum num tipo de tecido adiposo que queima muito mais calorias.


Na presença do hormônio chamado irisina, as células de gordura comuns (gordura branca) - responsáveis por armazenar energia - se convertem na chamada gordura "bege" (uma gordura mais parecida com a já conhecida gordura marrom, presente em grandes quantidades nos recém-nascidos, que tem um metabolismo super acelerado gasta muitas calorias para produzis calor e ajudar os bebês saídos do útero a manterem a temperatura e se adaptarem a nova condição climática). Essa gordura bege queima mais calorias que a gordura branca comum para aquecer o corpo.

 A irisina descoberta inicialmente nos camundongos, também existe em humanos. Num teste, os cientistas injetaram pequenas doses da substância em roedores sedentários, obesos e com sintomas de pré-diabetes. Após dez dias, os animais tiveram os níveis de glicose e insulina normalizados no sangue e até perderam peso. O experimento foi descrito na revista "Nature".

"Com a irisina, nós conseguimos traduzir uma pequena parte do efeito que os exercícios têm sobre o organismo", disse à Folha Pontus Boström, autor do trabalho. Ele alerta que a irisina não vai deixar ninguém mais forte. "Existe uma vasta gama de efeitos que jamais poderemos substituir por uma única intervenção metabólica."


FUTURO


Mesmo exibindo cautela em relação ao potencial terapêutico do novo hormônio, os pesquisadores se mostram otimistas com a perspectiva de usá-lo em humanos em um futuro próximo. A molécula da irisina dos camundongos é quase idêntica à versão humana, o que significa que os mesmos benefícios observados nos roedores podem se mostrar em pessoas.

"Esperamos ver efeitos colaterais muito pequenos", diz Boström. Ele e seus colegas do Dana-Farber, um centro de pesquisa associado à Universidade Harvard, estão agora tentando criar uma maneira de administrar a irisina a humanos. No estudo com roedores, foi usado um vírus para distribuir o hormônio no organismo, algo difícil de fazer com segurança.



Para criar uma droga que possa ser usada em humanos, Boström e seus colegas estão tentando "colar" a irisina em moléculas de anticorpos, as proteínas de defesa do sistema imunológico, para só depois injetá-las no sangue. "Temos de fazer isso para que a droga não entre em degradação na corrente sanguínea", diz o cientista.


NÃO É PREGUIÇA


Para pesquisadores, mesmo que não seja adequado substituir exercícios por uma droga que tente simular seus efeitos, é possível encontrar uma brecha para aplicação. "Há muitos pacientes por aí que precisam de exercício mas, por diferentes razões, não podem fazer", diz Boström.



"Um medicamento pode vir a ser uma opção para pessoas extremamente obesas, que têm dificuldade em se movimentar para fazer exercícios, ou para pessoas com alguns tipos de deficiência física", acrescenta. 


GORDURA MARROM INTRIGA CIENTISTAS


Apesar de já estarem estudando a possibilidade de aplicação do conhecimento sobre a chamada gordura marrom, cientistas ainda tentam entender por que esse tipo de tecido é estimulado pelo exercício no corpo humano. A gordura marrom, que queima energia em vez de armazenar, existe primariamente em bebês, que precisam de proteção contra o frio.

Como essa classe de célula adiposa libera energia ao ser estimulada, gera calor e aquece a criança. Do ponto de vista da teoria da evolução, porém, não faz sentido que um organismo que já esteja gerando calor por meio de atividade física também estimule a queima de mais energia por um mecanismo metabólico secundário.

E é por isso que ao longo do crescimento vamos perdendo quase toda a gordura marrom com que nascemos. A hipótese que cientistas levantaram para explicar isso é que, nos bebês que sentem frio, o fator que estimula a conversão de gordura branca em marrom é o tremor. Como os músculos que se movimentam para vibrar a pele são essencialmente os mesmos que mexemos para fazer exercício, também produzimos gordura marrom como efeito colateral da atividade física.

"É difícil tentar abordar essas questões evolutivas em experimentos, mas estamos testando o efeito do tremor usando camundongos", diz o biólogo Pontus Boström. "Não temos certeza ainda se essa hipótese está correta."


Vamos aguardar mais novidades e torcer para que os benefícios se confirmem!

(Fonte: folha.com)