30 de ago de 2012

Saiba mais sobre varizes

Varizes são veias, que se dilataram e ficaram tortuosas (meio tortas), responsáveis pela sensação de queimação, dor, inchaço e cansaço nas pernas. Nos estágios mais avançados,sem o devido tratamento, podem agravar com formação de flebites (inflamações nas veias) e muita dor.

A dilatação dessas veias ocorrem quando o sangue tem dificuldade em retornar da periferia do corpo (pernas) ao coração. Essa dificuldade no retorno venoso das pernas ao coração, ocorre por diversos fatores, um deles é a própria gravidade, que dificulta a "subida" do sangue.


Dentro das veias existem pequenas válvulas que contribuem para que o fluxo sanguíneo nas veias siga uma única direção (da periferia para o coração). Essas válvulas abrem para o sangue passar e logo se fecham impedindo o retorno venoso para as extremidades. Quando estas válvulas não se fecham adequadamente, há um retorno inadequado do sangue para a periferia do corpo – chamado de refluxo. Quando isto ocorre, aumenta a quantidade de sangue dentro das veias, ocorrendo a sua dilatação.

Geralmente, o desenvolvimento das varizes é ocasionado por fatores hereditários e hormonais. Normalmente, acometem bem mais às mulheres, devido à influência dos hormônios sexuais femininos, gravidez, e menor massa muscular que os homens.

Na gravidez, há uma maior liberação de hormônios, podendo haver redução do tônus da parede venosa, além da compressão do útero sobre as veias do abdômen que também pode desencadear varizes. Existem estudos que comprovam a relação entre o número de gestações e o aparecimento de varizes.

Além desses fatores, o estilo de vida da pessoa também propicia uma maior tendência às varizes ou não. Má alimentação, obesidade, sedentarismo, tabagismo e trabalhos onde se fica de pé durante muito tempo são fatores que contribuem para o problema.

As varizes podem se apresentar em diversas formas: apenas como minúsculas linhas avermelhadas serpentinosas (telangiectasias) ou mais calibrosas azuladas (varizes de médio calibre), ou ainda com nódulos que saltam o plano da pele (varizes de grosso calibre).

Veja algumas dicas que podem ajudar a prevenir o problema:

- Controlar o peso: obesos têm maior predisposição ao problema. Com o aumento do peso, a tendência das varizes é aumentar, tornando-se mais dilatadas.

- Evitar carregar peso ou fazer atividades físicas de alto impacto, como por exemplo a musculação: essas atividades provocam uma maior tensão nos vasos e, conseqüentemente, as veias se dilatam, ajudando a formar as varizes.

- Não submeter o corpo à exposição prolongada de temperaturas elevadas (saunas, bronzeamento e banhos quentes demorados): o calor provoca a dilatação dos vasos.

- Descanse, sempre que possível, com as pernas elevadas: isso contribui para que o sangue circule melhor pelo corpo, já que ao deitar, os pés ficarão mais altos que o coração.



TRATAMENTO

É necessário avaliar qual é o tipo das varizes (pequeno, médio ou grosso calibre) para então começar uma terapia direcionada. A falta de tratamento preventivo adequado pode agravar o problema clínico e estético vascular levando a necessidade de cirurgias vasculares para a retirada das varizes calibrosas, que não podem ser tratadas clinicamente com injeção de solução esclerosante.

Dependendo do tipo de variz, existem formas de tratamento mais adequadas; o importante é iniciar o tratamento o mais precoce possível, pois, dependendo do grau de desenvolvimento das varizes, poderá ser recomendado de simples aplicações a cirurgias de micro incisões, ou até retirada de veia safena, o que é menos comum atualmente.

Procure , assim que surgirem os primeiros vestígios de varizes, um angiologista para poder fazer o tratamento preventivo mais indicado ao seu caso. Ele vai ver em que estágio encontram-se as suas varizes e a saúde vascular. Normalmente estes profissionais solicitam um ultrassom vascular (doppler vascular) e assim, fazem uma avaliação para diagnosticar e fazer as devidas indicações ao seu quadro clínico vascular. 

A indicação mais praticada é a esclerose das varizes, escleroterapia (aplicações): antes temida devido aos riscos de ulcerar ou deixar manchas escuras no local da aplicação, além de ser muito dolorosa. Hoje em dia, é de maior segurança e sem tais riscos, visto que os métodos utilizados evoluíram, bem como as soluções esclerosantes são menos cáusticas.

Conheça algumas opções de tratamento:

- Escleroterapia com injeçao de solução esclerosante: ainda é o método mais largamente testado e utilizado preferencialmente nas varizes de pequeno calibre, sendo o que até hoje apresenta melhores resultados com menos intercorrências. Desde que praticados por profissionais médicos qualificados.

- Aplicações sem injeção, por radiofreqüência: são utilizadas principalmente para as varizes de tamanhos minúsculos (telangiectasias), também com algum resultado.

- Aplicações com Laser: são menos utilizadas e, em alguns casos, podem ser indicadas em varizes de pequeno calibre, telangiectasias de face e remoção de tatuagens. Quando utilizados aparelhos de última geração já não deixam mais aquelas temíveis manchas hipocrômicas (brancas).

- Microcirurgia de varizes: são realizadas com freqüência pelos angiologistas para as varizes de médio calibre, que são aquelas nas quais já não se deve aplicar esclerosantes ou laser, devido a um maior risco de hiperpigmentação (manchas acastanhadas). Esta cirurgia, embora utilizando microincisões e sendo de pequeno risco, devem ser feitas em centros cirúrgicos para melhor segurança do paciente - que normalmente são liberados logo que terminado o ato cirúrgico, com os devidos cuidados pós-operatórios e calçando meias elásticas compressivas.