1 de set de 2012

Você já ouviu falar de desreguladores endócrinos?

Entre os cientistas e a população tem crescido o interesse sobre possíveis ameaças à saúde causadas por compostos químicos que agem como desreguladores endócrinos (EDC’s – endocrine disrupters chemicals).

Esses desreguladores são substâncias presentes no ambiente (ar, solo ou água), em alimentos ou em produtos industrializados que podem interferir com o funcionamento normal do sistema endócrino do nosso corpo. O sistema endócrino é formado por glândulas que produzem e liberam mensageiros químicos, os hormônios.

Quando funciona normalmente, o sistema endócrino trabalha em harmonia com outros sistemas do nosso corpo no controle e na manutenção do metabolismo (a maneira como convertemos o alimento em energia), do crescimento e do desenvolvimento das crianças, da capacidade reprodutiva e do modo como nosso organismo enfrenta o estresse e interage com o meio ambiente.

Resultados de estudos científicos em animais e em humanos nos fornecem dados sobre uma associação entre os EDC’s e danos à saúde do ser humano, mas a relação de causa e efeito entre eles ainda não é inteiramente entendida. Mesmo assim, algumas fontes EDC’s presentes no ambiente são reconhecidas como ameaças às pessoas que têm exposição excessiva a elas. A maioria dos EDC’s são produtos químicos sintéticos utilizados por várias indústrias.

As classes e alguns exemplos destes compostos químicos são:

- Solventes, lubrificantes industriais e subprodutos: bifenil policlorados (conhecidos como PCBs) e dioxina
- Plásticos e plastificantes: bisfenol A (BPA)
- Pesticidas (utilizados no extermínio de pragas): metoxicloro, clorpirifós, DDT
- Fungicidas (utilizados no extermínio de fungos): vinclozolin
- Herbicidas (utilizados no extermínio de plantas indesejadas): atrazina
- Antibaterianos: triclosan

Alguns EDC’s ocorrem naturalmente nos alimentos. Os melhores exemplos são os fitoestrógenos, que são substâncias encontradas em vegetais e que podem produzir efeitos semelhantes aos do hormônio sexual feminino estrogênio. A soja e as sementes de linhaça são alimentos com elevados índices de fitoestrógenos.

Entretanto, uma pessoa precisaria consumir quantidades substanciais destes alimentos para que os fitoestrógenos afetassem o sistema endócrino. Os seres humanos entram o contato com os EDC’s de várias maneiras. Pode ser através do contato com solo, água, ou ar contaminado por esses produtos químicos.

Os alimentos podem ser as fontes desses compostos e além de fitoestrógenos eles podem conter outros desreguladores por contaminação. Quando os produtos químicos industriais são lançados no solo e na água subterrânea eles podem entrar na cadeia alimentar ao serem acumulados nos peixes, nos animais e nas pessoas.

Os EDC’s também estão presentes em materiais de consumo, tais como plásticos, produtos químicos de uso doméstico, tecidos tratados com retardadores de chama (tecidos anti-fogo), cosméticos e sabões anti-bacterianos. As pessoas que trabalham com insecticidas, fungicidas ou produtos químicos industriais podem estar expostas aos desreguladores endócrinos no próprio local de trabalho.

As crianças podem ser potencialmente expostas através da amamentação, quando suas mães apresentam um nível elevado de contato com EDC’s (como aquelas que trabalham com produtos químicos industriais). Entretanto, isto não deve desmotivar as mulheres a amamentarem, pois o leite materno é a melhor fonte de nutrição para o bebê.

Os lactentes também podem ser expostos tanto pelas fórmulas alimentares com fitoestrógenos do leite de soja como por fórmulas alimentares contaminadas pelo plastificante presente nas garrafas e latas que armazenam esses alimentos. Embora alguns medicamentos também possam interferir no funcionamento das glândulas endócrinas, eles não estão incluídos entre os desreguladores endócrinos ambientais e por essa razão não são discutidos aqui.




 


Altos níveis de determinados EDC‘s são reconhecidos como causa de problemas endócrinos, reprodutivos ou neurológicos nos seres humanos. Entre os locais que oferecem alto nível de exposição estão aqueles onde ocorreram derramamentos de produtos tóxicos ou contaminação ambiental.

Um exemplo é o acidente industrial em Seveso, Itália no ano de 1976, no qual a população local foi exposta a altos níveis de dioxina. Os estudos de longo prazo mostraram um aumento no número de casos de diabetes, determinados tipos de câncer e outros efeitos deletérios à saúde das populações que habitavam as áreas que foram altamente contaminadas durante o acidente.

Nos seres humanos, o impacto na saúde decorrente da exposição em baixo nível a desreguladores endócrinos não é tão bem conhecido. Entretanto, os estudos sobre baixas doses de exposição em animais mostram danos definitivos à saúde e os cientistas suspeitam de efeitos similares em humanos. 

Alguns desreguladores endócrinos, tais como o DDT, BPA, ftalatos e PCB’s podem mimetizar ou inibir os efeitos dos hormônios sexuais, tanto femininos como masculinos, afetando saúde reprodutiva de mulheres e homens. Uma exposição em fases precoces pode ter impacto ao longo de toda a vida do indivíduo.

Antes do nascimento, a exposição pode interferir com o crescimento e o desenvolvimento do feto. Em fases posteriores, pode ocorrer alteração do desenvolvimento sexual, diminuição da fertilidade e doenças dos tratos reprodutivos femininos e masculinos.

Alguns EDC’s também podem afetar outros componentes do sistema endócrino, como o tireóide e sistema neuroendócrino. A glândula de tireóide, localizada no pescoço, produz e libera hormônios na circulação sanguínea e esses hormônios são necessários ao desenvolvimento normal do cérebro, ao controle do metabolismo e na manutenção de várias funções envolvidas na saúde do organismo. Os estudos mostraram que muitos produtos químicos industriais podem interferir com a função da tireóide.

O sistema neuroendócrino é formado por células nervosas presentes no cérebro, na medula espinhal e em várias outras partes do corpo. Ele controla várias funções do sistema endócrino, incluindo reprodução, a resposta ao estresse, crescimento, lactação (produção e secreção de leite), assim como outros aspectos do nosso metabolismo.

A desregulação do sistema neuroendócrino pode afetar estas funções. As pessoas estão expostas a complexas misturas de produtos químicos ao longo de suas vidas. Isto faz com que a identificação da relação de causa-efeito entre entre a exposição a um EDC específico e doenças seja virtualmente impossível na maioria dos casos.

Mesmo assim, os cientistas continuam trabalhando para um melhor entendimento de como os EDC’s agem no organismo e as conseqüências dessa exposição. Alguns pontos são fundamentais para a compreensão global dos efeitos dos EDC’s. O feto e a criança em desenvolvimento são mais vulneráveis aos efeitos dos EDC’s do que um adulto, pois seus órgãos e sistemas ainda estão em formação.

A exposição durante este período pode causar impactos diferentes e mais prejudiciais à saúde do que os resultantes da exposição na vida adulta. Pode haver um longo intervalo de tempo entre a época de exposição e o aparecimento de sinais de um distúrbio, de uma doença. Em relação à saúde reprodutiva, os efeitos da exposição a um EDC que ocorreu ainda no útero ou logo após o nascimento podem vir a ser observados apenas na puberdade ou na idade adulta.


 

A contaminação ambiental é raramente devida apenas a um único composto. Isso torna mais complicado o entendimento sobre os efeitos individuais e específicos de cada EDC. A prevenção é a chave para a diminuição dos riscos à saúde relacionados aos desreguladores.

Mesmo enquanto alguns efeitos deles na nossa saúde ainda não estão completamente comprovados pela ciência, ter cuidado é uma conduta sábia. A primeira precaução é estar ciente da situação. Procure reconhecer os EDC’s aos quais você e sua família podem estar expostos. Uma boa maneira de começar é acessando as informações nas fontes listadas abaixo.

Embora não se possa evitar completamente a exposição aos EDC’s, previna-se de exposições desnecessárias a produtos que os contenham. Isto é de especial importância se você está grávida, planeja ter filhos ou tem crianças pequenas. Você deve conversar com seu médico quando planejar constituir uma família e discutir sobre cuidados necessários para evitar colocar você e seus filhos em perigo. As pesquisas sobre EDC’s estão crescendo.

Desta forma, procure atualizar-se com novas informações sobre produtos e precauções para proteger a saúde de sua família.

(Fonte: desreguladoresendocrinos.org.br)