4 de mai de 2014

Congelados saudáveis: existe???

Já percebeu que legumes, frutas e refeições preparadas com alimentos orgânicos agora ocupam espaço significativo nos congeladores dos supermercados? 
A justificativa é o crescimento do consumo por refeições fora de casa, aliado ao fato de que mais pessoas estão em busca de um estilo de vida saudável. Mas será que esses 'congelados saudáveis' podem ser comparados a produtos tão criticados como a lasanha de microondas entre outros alimentos? Sim e não, de acordo com a nutricionista Andrea Stingelin Forlenza, da Nutravie, consultoria em educação nutricional.




"Congelados como massas e nuggets, são atrativos pela praticidade, mas possuem aditivos químicos para realçar o sabor, como sódio e gordura saturada, além de conter alto valor calórico. Os 'congelados saudáveis' mais indicados são aqueles preparados com alimentos orgânicos e ingredientes naturais, pois, utilizam métodos de cocção (cozimento) e congelamento mais modernos que garantem um valor nutricional adequado. Porém, atenção aos rótulos, pois, como no caso dos industrializados, podem conter conservantes", alerta. “Mas é bom lembrar que algumas empresas já estão produzindo congelados com uma menor quantidade de sódio e ausência de conservantes”, pondera.
Congelados saudáveis possuem conservantes?
Congelados como massas e nuggets são atrativos pela praticidade, mas alvo de críticas por não serem considerados saudáveis. A nutricionista lembra que a proposta desses alimentos e refeições que estão há mais tempo no mercado é diferente dos congelados saudáveis. Estes, por sua vez, vão desde legumes à carnes, salmão e outras refeições mais leves e pré-prontas.
“Os primeiros possuem grande quantidade de conservantes e outros aditivos químicos para realçar o sabor, como sódio e gordura saturada. Além disso, contêm alto valor calórico e desequilíbrio na relação entre os macronutrientes (carboidratos, lipídeos e gorduras), por isso não são indicados. Algumas empresas, porém, já estão produzindo refeições congeladas com alimentos orgânicos e ingredientes naturais, usando métodos de cocção (cozimento) e congelamento mais modernos que garantem um valor nutricional adequado”.
No entanto, ainda que sejam saudáveis, a especialista pede atenção nos rótulos, pois, como no caso dos industrializados, podem conter conservantes. “Algumas empresas já estão produzindo congelados com uma menor quantidade de sódio e ausência de conservantes. Mas é importante observar o rótulo”.
Congelamento em baixíssima temperatura causa menor impacto no valor nutricional dos alimentos
Segundo a nutricionista, ocongelamento, quando bem realizado, apresenta um impacto mínimo sobre o valor nutricional dos alimentos saudáveis. Veja exemplos:
Branqueamento: “O branqueamento feito antes do processo de congelamento inativa as enzimas e leveduras que poderiam, eventualmente, causar danos aos alimentos no congelador. Entre eles perda de algumas vitaminas, em especial as hidrossolúveis (como a vitamina C e as do complexo B)”.
Poucos nutrientes perdidos: “Alguns alimentos mantidos em temperatura ambiente ou à intensa exposição de luz podem perder algumas vitaminas, mas não é tão significativo. No caso de carnes, todos os tipos, exceto miúdos e vísceras, podem ser congelados, e também não há grande alteração no valor nutricional quando congeladas corretamente”.
Para evitar perdas consideráveis: “O congelamento poderá trazer perdas maiores se, durante o processo, houver a formação de cristais de gelo grandes. Estes rompem as células dos alimentos durante o descongelamento e causam perda de crocância e nutrientes. Para minimizar o tamanho destes cristais, os produtores de alimentos efetuam um congelamento o mais rápido possível e à temperatura mais baixa possível, as vezes de -40°C”.
Veja o método de congelamento de alguns desses alimentos
Vegetais: “Normalmente são submetidos ao processo de branqueamento, onde o alimento passa por um choque térmico (calor e frio) em um curto período de tempo para que mantenha o máximo do seu valor nutricional. Depois é rapidamente congelado em equipamentos específicos”.
Frutas: “O escurecimento é prevenido mergulhando-as numa calda de açúcar, na qual foi adicionada ácido ascórbico (vitamina C) antes de serem congeladas”.
Consumo: “Os congelados saudáveis podem ser consumidos de 3 a 12 meses após a fabricação, mas fique de olho na orientação da embalagem. Em casa, esses produtos só devem ser descongelados na hora de comer, ou de acordo com as orientações do fabricante”.
Congelados saudáveis não devem ser consumidos com frequência
“Desde que esses congelados façam parte de uma rotina saudável feita em paralelo, e que não inclua somente o consumo desses congelados, não há problema. Essas opções só devem ser utilizadas quando não há tempo de preparar uma refeição adequada e, quando consumidas, que sejam as mais saudáveis existentes, ou seja, com menos sódio, sem conservantes e outros aditivos. Procure os congelados feitos com produtos orgânicos ou de boa origem e composição, bem como aqueles sem excesso de gorduras, principalmente as saturadas”, ensina. “E é importante incluir alimentos frescos na refeição”.
Congelados, alimentos fora de safra podem ser consumidos em qualquer época
A nutricionista ressalta os benefícios dos congelados.“Alguns alimentos quando são aquecidos podem até apresentar melhora nas suas propriedades nutricionais, como o caso do licopeno (nutriente responsável por dar a cor vermelha) do tomate. Já outros, como o brócolis, podem perder nutrientes, principalmente se aquecidos em excesso. Mas a vantagem de congelar alimentos para consumo posterior é poder utilizá-los em qualquer época do ano, não somente na época da safra, além da praticidade. Assim é possível manter um prato colorido diariamente na alimentação”.

(fonte: estilo.br.msn.com/tempodemulher)

Nenhum comentário:

Postar um comentário