18 de jun de 2014

Ácidos: cuidado com o excesso!




Muito comum em tratamentos estéticos e na formulação de cosméticos destinados ao combate a manchas, rugas e flacidez, os ácidos podem ter efeito contrário ao desejado se usados em excesso. Pelo menos é o que indica um artigo divulgado pela publicação científica British Journal of Dermatology, que aponta a aplicação abusiva desse tipo de produto como um dos principais responsáveis pelo envelhecimento cutâneo.



Segundo o estudo, quando utilizados em concentrações elevadas, esses agentes apresentam um alto poder abrasivo, capaz de provocar lesões na pele (vermelhidão, ardência e formação de feridas) e atrapalhar a fabricação de colágeno. “A inflamação gerada nestes casos atrapalha o processo de rejuvenescimento, além de provocar a formação de manchas no rosto se o paciente não tiver o devido cuidado com a exposição solar”, ressalta Carolina Stano, dermatologista do Instituto da Pelle, do Rio de Janeiro.

Embora muita gente acredite que quanto mais a pele descascar melhor será o resultado final, o ideal é justamente o contrário. “Irritações excessivas e prolongadas são indícios de que algo no tratamento precisa ser alterado. Por isso, para que tenha um efeito rejuvenescedor, o ácido não deve provocar descamação em grandes quantidades”, alerta a especialista.

Benefícios

Os ácidos têm diversas funções, dentre elas, esfoliar a pele, reduzir a oleosidade, diminuir os poros dilatados, clarear e rejuvenescer rugas e linhas de expressão. “Além disso, também é usado em pacientes com tendência à acne, pois ajuda no controle das lesões e na redução da oleosidade”, lembra Carolina.

Para que cumpram bem o seu papel, no entanto, só devem ser usados com orientação de um profissional, pois o tratamento realizado, tanto em casa quanto na clínica estética, é específico e depende muito da análise do tipo de pele de cada pessoa. O inverno é a melhor época do ano para utilizá-los devido à menor incidência de raios UV e às temperaturas mais baixas. “No entanto, é possível prescreve-los de forma que o paciente os utilize de maneira segura durante o ano todo, desde que haja, é claro, a fotoproteção com FPS mínimo de 30”, ressalta.


(Fonte: beleza.terra.com.br)

PS: a vermelhidão e descamação da pele após uso de ácidos é normal e até desejada, pois está sendo estimulada uma inflamação controlada para que haja uma renovação celular. O que a reportagem procura esclarecer é que não é necessário haver uma descamação intensa, exagerada, com desconforto ou formação de feridas para que o resultado seja satisfatório. Pelo contrário, nesses casos o efeito pode ser a formação de manchas! Mais irritação não significa maior resultado. Por isso o profissional capacitado que está lhe tratando irá observar a reação de sua pele e poderá indicar qual a dose ideal de ácido a ser usada na sua pele e com que frequência!

Nenhum comentário:

Postar um comentário